sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Sedes imperfeitos!

Então você procura um ser perfeito: alto, cabelos negros, olhos amendoados, sorriso desconcertante, forte. OK. Fácil de arrumar. Temos disponibilidade no mercado de uns 100 ou mil que podem preencher esse pré-requisito, mas daí um pouco você perceberá que esse cara ideal não aguentará te ver sem maquiagem, acima do peso e com as unhas sem pintar. Perceberá que o seu Ken quer uma Barbie e você nem pra uma Suzy tá prestando. E assim vai se frustrar e ver que a vida não é feita apenas de estereótipos físicos, mas sim de pulsar, de realidades e de pessoas comuns, dessas que pegam ônibus lotado e que você encontra em filas de padaria. Que o mundo não se resume em academia, aplicativos de Iphone e baladas sertanejas, e entenderá finalmente que as pessoas das quais você tem desejo de se relacionar estão brincando com seus cachorros ou lendo algum livro como qualquer pessoa normal, fora desse glamour que a vida foi pintada pra alguns.  E vai ser que é naquele nerd de altura mediana, riso franco e óculos de aro de tartaruga que sua felicidade pode estar.
Júlia Siqueira


Nenhum comentário:

Postar um comentário