Desistir dos olhos

O amor acaba quando poesia desiste dos olhos. O amor se despede quando janela se torna janela apenas e as estrelas, pontos no céu; quando sonhar se faz tão-somente intervalo entre os dias. O amor acaba pela reincidente aridez de dentro, por laço que endurece, espinho que cativas, ferida que cultivas, distâncias que nascem entre nós e a vida, entre nós e o outro. E o que dizer do amor que jamais morreu por não ter fim, mas que hoje deixou de ser? Qual linha, palavra ou ausência traça o limite entre o que éramos do que não mais seremos? Talvez o amor só deixe de ser por nunca ter sido o que havia de se tornar: amor. A poesia acaba quando amor desiste dos olhos.
 
Guilherme, A ilha de um homem só

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A gata e o periquito: Uma fábula de amor

O olhar do menino

Caetano não é pra high-techs