sexta-feira, 23 de agosto de 2013

O caminhante

Pobre homem, sufocado em suas gravatas e preso em seus grandes edifícios, vejo por atrás disso como é difícil ser feliz vivendo tanta agrura. E eu, pobre viajante livre como pássaro voando em revoada, escondendo-se da noite da escura que vem toda estrelada, sou aquele que os olhos passam e em mim não enxergam nada, mas tenho o coração tocando mil toadas, a felicidade no peito de quem sabe que pra ser feliz não se precisa de muito e sim de nada. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário