domingo, 12 de abril de 2015

Sobre viajar...

Dia desses, cansado do marasmo da cidade e de lugares comuns de gente igual, peguei minha mochila e peguei a estrada. Sim existia um rumo, sim existia uma conversa sobre onde ir, mas as passagens foram adquiridas horas antes de embarcar e a bolsa arrumada exatos 45 minutos antes de pegar o táxi para a rodoviária. Coisa de uma mente displicente que é a minha. O destino era Minas Gerais e a primeira parada Brasília. Ao chegar lá, parti para a papelaria comprar uma caderneta e uma caneta, a intenção era anotar números de telefone, uma vez que não gravo nenhum número na mente, mas acabou que se transformou num bloquinho de impressões. Ali eu anotava tudo. O mais divertido de viajar sozinho é que a viagem é uma descoberta particular, você não conhece ninguém, não sabe como as pessoas agirão a cada indagação, faz amizades de uma vida inteira em apenas 3 minutos e se vê ali contando a sua vida para um desconhecido.
Em Minas eu esqueci o meu carregador em uma cidade e fui para outra (eu sempre esqueço as coisas) e me vi em uma situação em que a tecnologia se tornou dispensável, o desconectar-se ainda que de maneira forçada me fez entender que muitas coisas nos escraviza e nos condiciona como essencial. O celular naquele momento não era, nem a sua câmera, afinal os registros mentais foram melhores e são tão meus que de maneira egoísta não quero dividir com ninguém.
Relembro que uma cartomante ao ler minha mão, disse que este ano eu viajaria bastante e que seria bom para mim. Após desconsiderar outrora, hoje entretanto eu só agradeço. É bom quando a viagem de conhecer lugares nos dá a oportunidade de conhecer melhor a nós mesmos. Desbravemos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário