sábado, 16 de novembro de 2013

Erro



Errei uma, duas, milhares de vezes, que nem o maior soroban* conseguiria calcular com precisão a quantidade. Errei quando deixei que você fosse inquilino da minha bagunçada, mas querida casa: meu coração. Errei quando permiti que seu sorriso inebriasse a mente, povoasse meus sonhos e me fizesse de tola. Errei e constato: os erros poderiam às vezes não beijar tão bem ou não marcar tanto assim.

Júlia Siqueira


*Soroban é um instrumento de cálculo, mais conhecido por seu uso no Japão e na China, que é formado por uma moldura com bastões ou arames.

Nenhum comentário:

Postar um comentário