quinta-feira, 10 de março de 2016

Sinceridade?

Hoje falar abertamente o que se pensa é sinal de ofensa, não porque as pessoas ficaram melindrosas demais, mas sim porque se acredita que sinceridade é sinônimo de ofensa. Ser polido no que se fala e, assim, expor seu ponto de vista sobre alguma coisa é uma totalmente diferente de vociferar aquilo que acredita por cima de gritos e palavras de baixo calão.
Não ficamos cheios de dedos, nos tornamos arrogantes, achando que a forma que a gente pensa é o certo e por isso deve ser aceito pela maioria. E quando isso não acontece apelamos de maneira baixa e rasa dizendo que sofremos preconceito. Chega a ser cômica, para não dizermos trágica, a forma como tratamos o preconceito na atualidade, colocando qualquer discordância mínima como um problema de ordem pessoal e social, que nos denigre, avilta e destrói. Antigamente as pessoas sofriam em condições muito piores que hoje e nem por isso vitimavam-se, muito pelo contrário, fazia disso escada para melhorarem sua vida.
Como foi que chegamos a este patamar? Fácil. Deixamos de ser incentivadores do conhecimento e da crítica e nos tornamos compartilhadores de opiniões alheias, no melhor sentido do termo “maria-vai-com-as-outras”. É simples, rápido e fácil pegar carona em um pensamento primitivo do que entender a complexidade das coisas. Enquanto isso, formamos uma geração de ignorantes, no sentido de ignorar o mundo, as coisas e a vida. E a sinceridade? Ela deu lugar ao silêncio, afinal é melhor calar-se do que mostrar o que realmente se pensa... No fim, há pessoas não acostumadas com o intricado da vida que podem se inflamar com o que é dito e haja anti-inflamatório para distribuição em massa. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário