terça-feira, 31 de janeiro de 2017

A voz das estradas

O menino arruma cuidadosamente sua mochila. Era uma manhã quente de verão e ele tentava acomodar nos espaços já cheios de sua bagagem algumas coisas que achava importante. Aperta daqui e dali, puxa rapidamente o zíper do compartimento maior, e pronto. Olha por um momento, em silêncio, o espaço que outrora estava cheio, agora se esvaziar a seus olhos. Respira, coloca sua mochila nas costas, toma seu casado e sai do ambiente.
Sai em busca do porvir. Mergulha no desconhecido. Senta ao lado de sua mãe entre o cachorro e a marcha velha da caminhonete conduzida por seu pai. Olha pros dois, que o retribuem com um sorriso. Ele entende. O balanço constante do carro tentando desviar dos buracos da rodovia o faz despertar, uma cômoda e tranquila vida, nem sempre é feliz. Transformações são necessárias, ainda que bruscas como essas.
Os buracos da estrada lhe diziam entre um balanço e outro do carro que uma sacudida desperta e todo fim é um recomeço. Mudar, recomeçar e viver são as três leis universais. Era isso que ele queria? Não! Mas era disso que ele precisava. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário