quarta-feira, 22 de maio de 2013

Desencontros e despedidas




Até! – disse enquanto cerrava a porta e por entre as frestas olhava você partir. Partindo pra não mais voltar nem pra uma visita ou um café inesperado pela manhã. Você se foi... e eu fiquei. Fiquei triste, desamparado, observando impaciente a hora marcada no relógio do aparador da sala, esperando uma ligação, um contato por carta, e-mail, SMS, qualquer coisa. Mas nada aconteceu. E aos poucos, em doses homeopáticas miúdas, fui me dando conta de que não sentia mais saudade, que tudo era um desencontro, e passei a não ter tanto ódio das conjunções adversativas, aquelas que dão uma conotação contrária ao que já havia sido dito. Ontem estava triste, PORÉM hoje não me encontro assim mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário