segunda-feira, 9 de abril de 2012

A tatuagem e o curativo


 A tatuagem voltou a sangrar como se tivesse sido retocada. Saudade, diz ela, lembra? O leite que derramou aquela vez já não lembro mais do cheiro, mas essa marca que levo no peito não tem como esquecer porque a vejo sempre que me defronto com o espelho. Mas e agora como estanco esse sangue? Uma caixa de curativos apenas não será o bastante, preciso de uma farmácia inteira, ou será que preciso só de você? Não sei. Só sei que a saudade me consome como a madeira é tragada pelo forno a lenha, e a tatuagem, esta não para de doer. Sete letras doloridas e ensanguentadas.

Um comentário: