sexta-feira, 6 de março de 2015

Sobre a promessa...

Promessa é vontade que hoje seja amanhã também. Promessa é sonho incerto de acordar sonhando. Promessa é esperar semente nascer em qualquer terra.  Eu não quero que você prometa nada; quero que você seja agora, toda e inteira. Porque hoje eu estou; amanhã eu não sei. Hoje, eu vou; amanhã (quem sabe) não virei. E lhe conto tudo o que sei: que hoje sou, será, seremos. Amanhã, não sabemos. Hoje, ganhamos. Amanhã, outros planos. Por isso te quero agora, toda e inteira. Aqui a gente tem certeza. Acolá, é surpresa. Aqui, colheita das flores. Acolá, carrossel de amores. Por isso peço, fica agora. Porque os planos se fazem e se costuram por eles. Na casa se mora quando construo as paredes. Uma a uma, sem pretensão de mansão. Pintemos a esquina e depois traçamos cidade. Comamos do fruto pra descansar na pastagem. Curtamos entrada pra não querer ver saída. Bebamos agora o inteiro da vida. Porque promessa é parcelar felicidade. E eu a quero toda e inteira. Cuidemos juntos da flor e depois herdaremos jardim. Porque promessa é somente sobremesa, distante degrau. E hoje é se servir pleno do prato principal. E no menu, encontros sem desencontros, perfume, clareza, encantos. Promessa é ponte de papel pela qual quero percorrer. E prometo hoje meu Amor, que pra ti nunca mais vou prometer.

Guilherme Antunes, A ilha de um homem só

Nenhum comentário:

Postar um comentário