domingo, 16 de agosto de 2015

Por ser mulher...

Sou apartidário e há tempos incorporei às minhas ideias não votar em ninguém que apresente mais do mesmo. Hoje, entretanto, me inquieta ficar calado. Lembro-me que em 2010, os veículos de comunicação de massa saudavam, em um feminismo quase uníssono, a entrada da primeira mulher presidente do nosso país. Hoje passados quase cinco anos do seu governo (eleita e reeleita ano passado) percebo que os discursos daquela época era apenas euforia de momento. Hoje vemos latente a falta de respeito que se há com uma mulher, que independente das situações de corrupção crônica no Brasil, tenta aprender o serviço que lhe foi designada pelo povo, só que embaixo de xingamentos de uma população que ela representa, mas que não a respeita.
O que eu questiono e analiso nestas linhas é que somos ainda ligados a valores patriarcais arraigados, pairando no nosso inconsciente coletivo de maneira esdrúxula e vil. Uma mulher não serve para governar um país, ela tem que sair, uma mulher não dá conta dos serviços fora de casa, mulher foi feita pra lavar, passar, cozinhar e dar, fora disso qualquer erro é falta de competência em assumir um cargo que ela não tem culhões para enfrentar. Um homem nas mesmas condições não enfrentaria tamanho preconceito. Um homem nas mesmas condições não seria achincalhado. Por quê? Simplesmente porque ele é homem. Não é sobre não ser competente, é por ser mulher.
Nisso eu sinto certa pena da presidente, não em relação a sua situação política atual, não pela crise política ou pela situação econômica, e sim por ser uma mulher sendo massacrada por todos os lados sem nem o direito de usar a Maria da Penha em seu favor. Porque um tapa dói na carne já palavras doem na alma. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário