segunda-feira, 15 de abril de 2013

Evoluiu ou involuiu?



Tem certeza que isso algum dia foi amor, paixão, querer ou simplesmente fantasia de sua mente carente que buscava alguém que lhe completasse, que entendesse suas manias, erros e oscilações de humor e mesmo assim gostasse de você? Melhor, acredito que foi uma progressão de uma realidade inventada por você e idealizada em mim e como não pude atender as expectativas “press delete”. Amor é diferente! Será que é capaz de diferencia-lo?
Como e em que momento as pessoas se tornaram tão descartáveis assim (acho que não acompanhei a ‘evolução’ da espécie a isso)? Em que mundo estamos em que vivemos impelidos a todo instante a agradar alguém, num ritmo de servidão que já não existe mais nem nos livros infantis, e quando não agradamos não se há diálogo e sim descarte. Lixo orgânico em putrefação sem condição de reciclagem, esses somos nós.
E ainda abrem a boca pra falar de amor, de gostar, de querer. Involução humana. Amam quando o amam, gostam quando gostam e querem quando querem. Amor não é interesseiro, para gostar de algo não se precisa dizer a todo instante e pra se querer, ah... pra querer é preciso respeitar em algum momento o tempo das esperas. Quem aguarda o que quer, sabe valorizar o que tem. 
Evoluir ou involuir, eis sua questão, a vida não gravita em torno de você, saiba e se não tomar uma atitude sobre o que você é, será banido por seleção natural.

Júlia Siqueira

Nenhum comentário:

Postar um comentário